Galeria

O caso Lavínia e o caso do vagabundo assassino


Quando eu era criança eu pensava: “… mas como é que o mundo vai acabar?” Afinal, de vez em quando eu ouvia alguém falar sobre o fim do mundo pelo fogo ou pela água ou pela volta de um certo rei que julgaria vivos e mortos, uns para o céu, outros para o inferno. E assim, apocalipticamente assim, acabaria o mundo.

Anos depois, eu sou levado a crer que o mundo já estava acabando naquela época e este movimento vem se acelerando a cada dia. Nós, como habitantes do planeta, dando cabo dele, e nós de novo, como seres humanos acabando conosco mesmos.

E o que fazer para mudar todo este sistema de coisas? Na minha humilde e mais otimista opinião: não há mais volta. O mundo todo já está entranhado em seu egoísmo desenfreado, nas suas paixões assassinas e nos seus sentimentos já desgastados e completamente dissimulados.

Para ilustrar este meu pensamento “filosófico”, decidi postar os dois casos que chocaram a opinião pública nesta nona semana de 2011:

Caso 1: Matou um anjo para castigar o amante – O caso Lavínia


Caso 2: Matou os pais e foi comprar cerveja – O caso do vagabundo assassino

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s